sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

“O MEU PRIMEIRO AMOR SERÁ O ÚNICO, SENHOR” [1]






“E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de quase todos esfriará.”
Mateus 24.12

Se você tem um baú para suas coisas velhas, sabe: ali há coisas que nada significam para os outros, mas que valem muito para nós. Nenhuma experiência confirma isso de modo mais convincente, e dramática, do que àquela de entrar no seu quarto e vê-lo arrumado. Onde está tudo? É quase uma lei: sempre vai algo de valor para o lixo. É por conta disso que faxina se tornou uma experiência de suspense. É que o coração valora de forma diferente. O coração valora sem perguntar o preço. Há significâncias próprias. O coração humano é um cofre. É o baú onde guardamos os significativos da nossa história. É ele que diz o que vale. “Onde está o seu coração aí está o seu tesouro”.

Hoje pela manhã abri o meu baú. Eu precisava saber se ainda encontraria lá antigas valias. Abri minha velha Bíblia, há muito não a utilizava. Está em pedaços. Livros inteiros estão soltos, e está de difícil manejamento. Antes já havia tentado. Mas utilizá-la, só a desgastava mais. Eu sempre recuava. Mas hoje, foi maior a vontade daquela familiaridade das páginas amigas. Foi lá que eu li essas palavras: “o amor de quase todos esfriará”.

Esse foi o susto: o amor esfria, se esvai. ‘Emorna’. Todas essas expressões foram utilizadas por Jesus e sempre em contextos apocalípticos – cujos prenúncios eram de que a ordem das coisas nos últimos dias contribuiria para essa extinção do amor. É como se dissesse: amar, naqueles dias, será uma experiência rara.

“O amor esfria” – ele disse, acabando todas as nossas referências platônicas e idealistas para o amor. “Te amarei para sempre” – dizemos. Mas o amor esfria[2]. E essas palavras que me fez buscá-lo no baú do meu coração.

Essa experiência de revisitar as nossas significâncias é a própria realização do convite da Graça. Ela que diz: “lembra-te de onde caístes... arrepende-te... Pratica as primeiras obras”. Ou “És morno”. És morno: ainda conserva algum calor. Há sinais em ti de que houve um fogo ai um dia.

O convite é para que zelemos da chama. Para que aqueçamos o coração e o direcionemos aos Tesouros certos. Em fim, para que nos reafirmemos no amor. Para que a cantada passada, não prove o amor de hoje.

O amor é fogo. É assim que o Espírito, quem é quem infunde o amor de Deus em nós, desce aos homens em forma de fogo. Há uma temperatura própria pra quem diz amar. E há modos de medi-la. Um deles é revisando o que estamos entesourando no nosso coração. É só ir lá e ver o que temos guardado. E ver o que ainda tem por lá. E o que já se fez ausente.

Com o tempo, nós crescemos e assumimos responsabilidades. Aprendemos a nós mesmos arrumar o próprio quarto e fazer a sua própria faxina – essa é uma responsabilidade de todos os cristãos. Pois faxina é uma coisa íntima. Ninguém faz certo senão nós mesmos. Faxina é tirar o que se deve. E deixar o que se deve deixar. Sempre que revisito meu baú, encho uma sacolinha de coisas que perderam a relevância e que para mais nada servem. Serão jogadas fora. É uma reciclagem normal. Coisas saem e coisas entram. O que vale, fica. O coração está em movimento. O que ora valoriza, ora desvaloriza. E vice-versa. Mas o que ainda vale, fica.

O amor de muitos esfriará. Não nos enganemos. Pro que ama de verdade, o primeiro amor não é uma experiência de início: é algo que se é exigido por todo o percurso. Muito propriamente: o primeiro amor, deve ser o único amor. O morno não serve. O que esfria, já não ama. Reconhecer o Icabode também é uma experiência de libertação.

Ore e Reflita!
Eric,
Manhã de 27 de março de 2010



[1] Verso da linda música de meu amigo Matheus Patrick.
[2] Icabode (foi-se a glória)!

Nenhum comentário:

Postar um comentário