quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

POBREZA DE ESPÍRITO...





"O meu reino não é deste mundo" - disse Jesus, quando supostamente estava sob o poder de autoridades.

E, quando da sua condenação, sua vida pareceu estar sob outros: o povo, o sinédrio, etc...

Mas naquela aparente fraqueza, Deus estava forte. Naquele aparente acaso, tudo estava sob o controle de Deus. Naquela aparente injustiça, a justiça de Deus se revelaria aos homens.

Com "aparente" só quero dizer: não era a realidade toda. Porque, de fato, tudo foi muito real. A injustiça foi real, e a morte de Cristo, de fato, foi decidida pela religião, pelo povo e pelas autoridades.

O reino de Deus é uma realidade paralela. O Mundo tem muitos mundos.

Jesus dizia: o "reino vos é chegado" e "o reino de Deus está dentro de vocês".

O reino de Deus invadiu a terra - sem possuí-la ou dominá-la. É reino sutil, escondido, subversivo...

É como um grão de mostarda no coração dos homens. Exige, de início, um sim geral... e, desde então, vai adentrando o coração humano; agora sim, tomando posse do senhorio. Sims específicos vão sendo dados...

O reino de Deus cabe na consciência e no entendimento de pessoas.

Agora, definitivamente, o reino e o mundo têm cursos diferentes. E Muitos são os cursos do mundo.

Por exemplo, Jesus disse que os pobres de espírito são bem-aventurados. Há coisa mais estranha?

O mundo desconhece esse valor. Para o mundo, o forte é quem é bem aventurado. O mais adaptado. O que possui mais recursos interiores. Veja, em qualquer setor de Recursos Humanos os critérios de seleção: inteligência emocional, bons relacionamentos interpessoais, network, etc, etc...

Quase pode-se ler: PROCURA-SE HOMENS RICOS DE ESPÍRITO!   

Pobreza de espírito, definitivamente, é de conotação ruim, de inferioridade, e derrota.

Mas o que Jesus tinha em mente ao referir-se a este de espírito pobre, seria uma pessoa sem dotes, sem equilíbrio psicológico? Não, necessariamente. A pobreza de espírito, conforme o Evangelho, é algo muito mais profundo. Ademais, há desestruturas sociais que, pelo contrário, são consequências de uma alma condicionada as diretrizes da riqueza de espírito conforme o mundo.

E os "heróis da fé", conforme esses critérios, seriam homens de êxito, com almas altamente dotadas.

A pobreza de espírito conforme o Evangelho é, antes, uma disposição ante a Deus. Como você se coloca frente à Ele.

Se enxergar diante de Deus - é como uma alma se faz pobre, no sentido daquela pobreza indicada como bem aventurança. É diante de Deus, diante dAquele que tudo pode. Ele tão tudo, eu tão nada. A alma pobre sabe de sua própria carência. E sabe de que encontra nEle, o que precisa.

A alma pobre sabe de si. A alma pobre sabe de Deus. A alma pobre crê, e crê com amor: o amor, diz Paulo, tudo crê. Deles é o reino. Qual reino? O reino que não é deste mundo.

O evangelho é loucura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário