sábado, 3 de novembro de 2012

Flores: e o olhar do Reino






“Quanto à igreja ... lamento os restauracionistas que inventam uma igreja ideal para reinstituí-las” (Folheto da IBE)


O passado tem o poder de encantar. “Ao vivo” nada parece tão bom. Por exemplo: a infância nos parece melhor depois que a vivemos, na recordação. Mas a verdade é outra: nosso olhar está destreinado para desfrutar o encanto presente.

Uma leitura comum da igreja primitiva lhe dá um tom róseo. E não é para menos: a comunidade nascente estava efervescente no poder das forças primeiras do Dynamus. E muitos são os elementos surpreendentes: sinais e maravilhas, conversões em massa e inesperadas. De fato, era um Novo Tempo na História. A Inauguração de um aion, uma Era.

Mas, ainda assim, o realismo bíblico não encobriu a humanidade daquele momento. A igreja foi inaugurada entre gente, com problemas de gente. Houve insegurança, incerteza, esfriamento, tristeza, confusões, imoralidades... 

O quadro geral não é o quadro de um paraíso. E devemos lembrar que o livro de Atos é uma coletânea, uma seleção. Uma leitura ampla daquela primeira igreja acrescentaria o retrato que é pintado em I Coríntios, por exemplo.  

A conclusão é: guardadas as especificidades, no que é mais importante e central: a igreja de sempre é a mesma igreja do Espírito Santo. E o que pretendo não é desmaravilhar o Novo Testamento: é fazê-lo notado como realidade presente e um poder atuante.

“Entendo que o tempo ‘bíblico’ não foi, certamente, um tempo paradisíaco que tivemos que deixar para trás, para sempre” (Juan Luis Segundo)

Estamos cercados pela mesma Bondade, em sua liberalidade de sempre: nós é que não vemos. O Milagre é Hoje: Se Hoje é que ouvimos a Sua voz. 

Se há um emaravilhamento na Fé, é vê-la crida hoje. Posto que foi isso que Jesus disse: que a bem aventurança estaria na Fé que “não viu”. O Milagre maior é manter-se aquecido em tempos de frieza. Milagre é o Filho do Homem encontrar Fé no tempo de sua Vinda. Milagre é, nos tempos de hoje, existirem homens que não são egoístas, nem avarentos ou arrogantes. Homens obedientes aos pais, gratos e reverentes.  Milagre é um homem com domínio de si, e amigo do bem. Fiel e amigo de Deus.  O Milagre é Hoje. O olhar da Fé – e não o olhar do falso encanto, o enxerga. O maravilhoso habita o simples. A Fé não se encanta com o Templo de Salomão, antes, diz surpresa: que lírios! Será por isso que hoje não nos parece tão boa, tão poderosa e tão operante?

Nenhum comentário:

Postar um comentário